quinta-feira, 14 de agosto de 2014

quinta-feira, 19 de junho de 2014

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Sessões de Coaching por telefone

Meu código de ética de Coach

I-Filosofia de Coaching da ISPC A ISPC (International School of Professional Coaching) está alinhada com uma forma de Coaching que honra o Cliente (Coachee) como perito na sua vida e trabalho e acredita que todo o Cliente é criativo, possui recursos e constitui um todo. De acordo com este fundamento a responsabilidade do Coach é: • Garantir que o Processo segue a metodologia de base do Coaching; • Descobrir, clarificar e alinhar-se com o que o Cliente quer alcançar; • Estimular a auto-descoberta do Cliente; • Procurar soluções e estratégias geradas pelo Cliente para que as possa espelhar; • Eleger o Cliente em responsável pelas suas acções II-A definição de Coaching da ISPC O Coaching é uma Relação profissional, orientada para um Objectivo do Cliente inicialmente acordado, que ajuda o Cliente a produzir resultados extraordinários na sua vida, carreira, negócio e organizações. Nesta Relação profissional que se desenrola em várias Reuniões/Sessões, é fundamental o respeito pela Agenda do Cliente, pelo seu Quadro de Referência, bem como garantir a Confidencialidade de todo o Processo. Através do Processo de Coaching os Clientes aprofundam o seu auto-conhecimento, encaram as mudanças desejadas, orientam-se para a Acção, produzindo abertura a mais aprendizagem, melhoria do desempenho e da sua qualidade de vida. Em cada Reunião/Sessão o Cliente elege o Objectivo, enquanto que o Coach escuta e faz perguntas. Esta interacção gera reflexão, cria clareza e leva o Cliente à acção. O Coaching acelera o avanço desejado do Cliente, proporcionando uma maior Consciencialização e Responsabilização. O Coach concentra-se no “onde” está o Cliente agora e “o que é” que está disposto a fazer para chegar onde quer estar no futuro. Os Coaches que são Certificados pela ISPC reconhecem que os resultados correspondem às intenções, às eleições e acções do Cliente, a quem o Coach apoia com as suas Competências no processo de Coaching. O Processo de Coaching está fundamentalmente Orientado para os Objectivos do Cliente e para o que o Cliente está disposto a activar no Presente para os alcançar III-Código de conduta Ética Profissional da ISPC Introdução Estes princípios profissionais determinam a conduta dos Coaches Certificados pela ISPC-Internacional School of Professional Coaching. Este código de conduta serve de referência para um comportamento baseado em valores, através da qual o Coach pode mover-se livremente. A Aceitação deste código de conduta é um pré-requisito para ser um Coach Certificado pela ISPC-Internacional School of Professional Coaching. A ISPC terá em consideração as reclamações que forem dirigidas ao Comité de Ética por qualquer pessoa singular ou colectiva de direito público ou privado. Como Coach: 1. Conduzir-me-ei de forma a reflectir positivamente a profissão de Coach e evitarei desenvolver condutas ou realizar declarações que possam causar impacto negativo na compreensão ou aceitação pública do Coaching como profissão. 2. Não realizarei, deliberadamente, declarações públicas que resultem falsas ou equívocas, em nenhum documento escrito que se relacione com a profissão de Coach. 3. Respeitarei as diferentes abordagens do Coaching. Honrarei os esforços e contribuições de outros e não os declararei como próprios. 4. Serei consciente dos temas que potencialmente possam causar uma má interpretação da minha influência, reconhecendo a natureza do Coaching e a forma em que possa afectar a vida de outros. 5. Em todo o momento, esforçar-me-ei por reconhecer os temas pessoais que possam impedir, criar conflitos ou interferir com o meu desempenho como Coach ou com as minhas relações profissionais. Quando os factos e circunstâncias assim o requeiram, procurarei assistência profissional e determinarei a acção a tomar, inclusive, se for apropriado, suspender ou finalizar a minha relação de Coaching. 6. Como Coaching Trainer ou Supervisor/Mentor de Coaches ou potenciais Coaches, conduzir-me-ei de acordo com o código de ética da ISPC em todas as situações de Formação e Supervisão. 7. Desempenharei e realizarei os meus trabalhos de Investigação com competência, honestidade e dentro dos padrões científicos reconhecidos. Os meus trabalhos de investigação desenvolver-se-ão com a aprovação ou consentimento dos que neles participem e com um enfoque que proteja razoavelmente os participantes de qualquer dano potencial. Todos os meus esforços de investigação se realizarão dentro do quadro legal do país onde se desenvolvam. 8. Criarei, manterei, guardarei e eliminarei os registos do trabalho realizado com relação à prática do Coaching de tal modo que promova a confidencialidade. 9. Utilizarei as informações de contacto com os Coaches certificados pela ISPC (direcções de e-mail, números telefónicos, etc.,) em tudo de acordo e dentro do quadro de autorização. Conduta profissional com os Clientes 10. Serei responsável por estabelecer limites claros, adequados e culturalmente sensíveis em qualquer contacto físico que possa ter com os meus Clientes. 11. Estabelecerei acordos claros com os meus Clientes que honrarei no contexto das relações profissionais de Coaching. 12. Devo assegurar que, antes (briefing) ou durante a primeira Reunião/Sessão, o meu Cliente compreenda a natureza do Coaching, os limites de confidencialidade, os acordos financeiros e outros termos do acordo subscrito. 13. Identificarei com exactidão as minhas Qualificações, Certificações e Experiência como Coach. 14. Não alimentarei, intencionalmente, falsas expectativas sobre o que meu Cliente pode receber do processo ou de mim como Coach. 15. Não explorarei, intencionalmente, nenhum aspecto da relação Coach-Cliente para meu benefício pessoal, profissional ou económico. 16. Respeitarei o direito do Cliente a finalizar o processo de Coaching em qualquer ponto da prática. Estarei alerta aos sinais de que o Cliente já não está a beneficiar do Processo de Coaching. 17. Sugerirei aos meus Clientes que procurem os serviços de outros profissionais quando o considere apropriado ou necessário. 18. Tomarei todos os meios razoáveis para notificar as autoridades apropriadas em caso de que um Cliente revele a sua intenção de pôr em perigo a sua vida ou a de outros. Confidencialidade/Privacidade 19. Respeitarei a confidencialidade da informação transmitida pelo meu Cliente, excepto quando o meu cliente me autorize ou se o requerem as leis ou regulamentações vigentes. 20. Solicitarei a autorização do meu Cliente antes de revelar o seu nome como Cliente ou como referência, ou qualquer outro tipo de informação. 21. Solicitarei a autorização do meu Cliente de Coaching antes de transmitir qualquer informação solicitada pela entidade responsável pelo pagamento do Processo de Coaching (Sponsor). 22. Manterei esta obrigação de confidencialidade mesmo depois da relação de Coaching terminar Conflitos de Interesses 23. Procurarei evitar conflitos entre os meus interesses e os interesses dos meus Clientes. 24. Quando surgir um conflito de interesses, real ou potencial, revelá-lo-ei abertamente e conversarei com o meu Cliente sobre a melhor maneira de solucioná-lo para seu benefício. 25. Somente aceitarei o intercâmbio de serviços, bens ou outra retribuição não monetária quando não prejudicar a relação de Coaching. 26. Respeitarei os direitos de autor quanto às ideias e publicações dos colegas e só usarei estes materiais indicando as fontes. Divulgação da informação 27. Com a minha comunicação e publicidade do Coaching, procuro promover a profissão e a aceitação pública do profissional de Coaching. 28. Abstenho-me de usar publicidade desleal e enganosa. 29. Apresento as minhas qualificações correcta e honestamente tendo em atenção a minha experiência e qualificações. 30. O conteúdo da minha divulgação pelos diferentes meios é baseada no meu actual nível de certificação. IV-Compromisso de Ética da ISPC Como Coach profissional Certificado pela ISPC aceito honrar as minhas obrigações éticas com os meus Clientes, Colegas e com o Público em geral. Comprometo-me com este Código de Ética, a tratar as pessoas com dignidade, como seres humanos iguais e independentes e a aplicar estes padrões com os meus Clientes de Coaching. Se faltar a este Compromisso de Ética ou a qualquer das suas partes, aceito que a ISPC seja a única autoridade para me fazer responsável destes factos. Além disso, aceito a minha responsabilidade para com a ISPC se uma falta a este compromisso ou a quaquer das suas partes, incluir a suspensão ou perda das minhas certificações obtidas na ISPC. Declaro ter lido e aceite o presente documento de Código de Ética da ISPC, não podendo, em qualquer circunstância alegar desconhecimento do mesmo. Assinatura

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

sábado, 1 de fevereiro de 2014

domingo, 5 de setembro de 2010

Leonor Sousa




uma pintora contemporânea que sua pintura continua-me a encanta-me

quinta-feira, 17 de junho de 2010

QUE PINTA!



A vida é como os electrocardiogramas se não tiver altos e baixos temos mortos.
Eu sinto-me feliz devido a quanto toou em baixo á sempre algum que volta para cima, uma canto de pássaro, uma musica, um palavra amiga etc, que torna e fazer experimentar como é bom viver “neste bombear de coração”
O ultimo fim de semana fiquei casa , não estava bem, telefonei à Leonor (para mais atentos ao blog já sabem que é) eu sabia que ela tinha começado a pintar, (não cabelos nas a arte de martirizar o na tela o espírito, e foi quando disse que estava a ultimar o primeiro quadro e me mostrou por foto no MSN, sou um leigo para avaliar uma obra mas esta tem algum que me elevou

sexta-feira, 4 de junho de 2010

OBRIGADO PADRE JOÃO RESINA




Não poderia deixar parente a morte do padre João fazer uma homenagem pela sua humanidade e sua lucidez. Foi alguém que tocou muito e ajudou a estruturar o meu pensamento e nível de fé.
(texto de Jornal Publico)
João Manuel Resina Rodrigues nasceu a 5 de Outubro de 1930, em Carnaxide (Oeiras) e foi ordenado padre em 1959. Entretanto, licenciara-se em 1953 em Engenharia Química, no Instituto Superior Técnico, onde foi colega, entre outros, da antiga primeira-ministra Maria de Lourdes Pintasilgo e onde leccionou durante 30 anos.

Foi também investigador do Centro de Física da Matéria Condensada. Publicou várias obras sobre Física e História e Filosofia das Ciências.

Com a mesma facilidade, falava de física quântica e de Deus. Frontal, mas muito discreto, não se inibia de criticar a instituição eclesiástica, mas era também duro com o sistema económico que cria pobres e deixa tantos à margem.

Doutorado em Filosofia na Bélgica em 1969, esteve nas paróquias de Santa Isabel e S. Nicolau, e foi responsável da Capela do Rato, onde as homilias eram espiadas pela PIDE, polícia política do Estado Novo. No Campo Grande, em Lisboa, tornou-se responsável da catequese, onde deixou uma marca de criatividade.

Muitas das homilias, que distribuía em folhas no final das missas depois de alguns amigos lhe terem pedido que as escrevesse, estão publicadas em dois volumes com o título A Palavra no Tempo.

Em Abril de 2007, deu uma entrevista à PÚBLICA, onde dizia: “Questões relativas a como é feito este mundo são da ciência. O sentido da vida diz respeito à religião. Nós aprendemos com todas as culturas. Eu, em particular, aprendi e acreditei em Jesus Cristo.” E, acerca do fim, afirmava ainda: “Acredito na vida eterna, acredito que os processos biológicos têm fim e que, em todo o caso, o homem não é só biologia. Por isso, acredito que o homem vai para Deus.”

segunda-feira, 19 de abril de 2010

L I B E R D A D E




A Misericórdia da Amadora tem um boletim mensal, o qual todos os meses são elaborados por cada coordenador de cada valência, este mês coube à Dra. Maria Infante (Directora - Centro Rainha Santa Isabel) a sua elaboração. Esta foi a imagem escolhida para ilustrar o tema «Liberdade», quando a vi me transportou para o sentido mais profundo da liberdade.
Liberdade, não só como conjunto de direitos reconhecidos ao indivíduo, considerado isoladamente ou em grupo, em face da autoridade política e perante o Estado; por exemplo poder que tem o cidadão de exercer a sua vontade dentro dos limites que lhe faculta a lei, ou a participação politica através do voto, que este mês comemora no dia 25.
Mas aquela liberdade mais profunda é a que S. Agostinho expressa tão bem quando diz: “Ama e faz o que quiseres” foi para onde estas simples setas indicarão o facto de estarem brancas é sentido da pureza de coração normalmente simbolizado pelo branco e ao mesmos tempo em tudo, sentido onde a liberdade deixa de ser um direito para ser um estado de vida.

segunda-feira, 29 de março de 2010

Poderoso Deus

Eu sou muito ecuménico e a musica acho que aproximas as pessoas, como a força desta musica, creio eu evangélica

object width="425" height="344">

sexta-feira, 19 de março de 2010

MAIS UM ESCÂNDAO, UM AUTENTICO ATENTADO A QUEM TRABALHA E TEM QUE PAGAR O SEU PASSE SOCIAL OU A SUA GASOLINA PARA SE DESLOCAR PARA OS SEUS EMPREGOS





Quando decidi criar este espaço para ser um espaço de textos e reflexão à volta da fé, que ultimamente tenho utilizado este espaço para outro tipo de publicações. Mas hoje vou por um texto diferente. Acho que ser cristão é denunciar, e foi e que fez a minha amiga Isabel que fez o último retiro comigo, ao mandar este mail em tempo de recessão
INÊS de MEDEIROS... RECEBE DIARIAMENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 528€

31 x 528 = 16 368 euros


Pois é são os Funcionários Públicos a causa dos buracos orçamentais !!! mas como esta quanto mais buracos haverá, mas estes gastos não são congelados, nem este nem de muitos outros que ... Quem trabalha congela! congela! congela ...
Valha-nos Deus
INÊS DE MEDEIROS, SIM AQUELA QUE É FILHA DO VITORINO DE ALMEIDA, É AGORA DEPUTADA PELO CIRCULO DE LISBOA DO PS
CONTUDO, ELA TEM A RESIDÊNCIA EM PARIS, ASSIM SENDO, RECBE DIARIAMENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 528€ DE AJUDAS DE CUSTO DIÁRIOS, PARA ALEM DE VIAGEM PAGA A PARIS IDA E VOLTA AOS FINS DE SEMANA e mais as senhas de presença diárias da assembleia. Aliás todos nós para além do ordenado as empresas ainda nos pagam um valor pecuniário díário por irmos trabalhar.
e os deputados que têm residência em Lisboa e que pelo facto de serem eleitos por outro circulo eleitoral, recebem ajudas de custo diárias? Ex: deputados eleitos por Braga e Porto com residência conhecida sempre em Lisboa e que recebem umas boas centenas de euros por dia para fazer face ás despesas com o hotel?
Onde está o apertar do cinto dos deputados e da generalidade dos politicos? onde quando e como é que eles vão apertar o cinto?
Qdo passam a receber a reforma só aos 65 anos como todos os outros? e deixam de acumular 4 ou 5 reformas em simultaneo'
Bem prega frei Tomás. faz aquilo que ele diz e não aquilo que faz.
Qdo se começa a ter mão nos gestores das empresas publicas ou com participação do estado? vai continuar o fartar vilanagem?Ordenados acima da média, prémios de gestão chorudos com as empresas a darem prejuizos brutais, carros topo de gama,motoristas, cartões de crédito, viagens, almoço e jantar pagos diáriamente e sem limite, em deslocação hotel e refeições pagas e ainda recebem ajudas de custo ( para pagar os copos)
Todos eles falam de barriga e carteira bem cheias à nossa custa por isso falam em congelar salários dos trabalhadores e em aumentar impostos, enqto cada vez roubam mais.
A India com muitos milhões de habitantes tem +/- 560 deputados, nós com 10 milhôes sustentamos 237, fora acessores ( 1 por deputado), secretárias, motoristas, acessores dos acessores. Só em diminuir as despesas da AR poupar-se-iam vários milhões por mês-
COMO É POSSÍVEL ACEITAR ISTO??? Até quando vamos aceitar esta chulice

sexta-feira, 5 de março de 2010

Revista SER MISERICORDIA

O nº2 da revista SER MISERICORDIA que eu com muito gosto faço parte da equipa



Nos artigos opinião, se clicar na foto abri o meu….

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

OBRIGADO LEONOR

CLIQUE NA FOTO





O tema da tarde foi sobre as barreiras arquitectónicas e responder algumas perguntas, foi muito bom e gerou-se uma tertúlia muito interessante, as perguntas fugiram um pouco ao tema, o que foi interessante, porque antes de falar em barreiras arquitectónicas há que falar em barreiras de mentalidades.

Comecei por deixar algumas ideias:

Um arquitecto quando projecta um edifício, projecta-o com janelas para as pessoas terem claridade. Não pensa muito no motivo, também não pensa que é obrigatório por lei uma casa ter janelas, quem diz janelas, podia dizer mil e uma coisas… essenciais para o edifício funcionar, mas destas mil e uma coisas que sem elas um edifício não funciona. São as adaptações para pessoas com deficiência.
Eu disse adaptações!
Disparate!...
Perdoem-me se as janelas não são adaptações, as rampas, os wc para pessoas com deficiência, enquanto, não fazer parte na normalidade do projecto do arquitecto e ficar depois nas adaptações eu não me sinto integrado, mas adaptado.
Quando era estudante aprendi que o ser humano é constituído por dois sexos, quando vou aos wc dos edifícios públicos não sei bem qual a minha sexualidade. Tenho três casas-de-banho, senhores, homens e deficientes, será que uma pessoa deficiente é um anjo?... não tem sexo?
Sinto a solução melhor a nível ético e ficava mais barato era ter só duas casas de banho com portas mais largas e um sanitário adaptado para deficientes.
As vezes só para rir... Fica-se numa fila para o as para pessoas com deficiência desocupadas à espera de um coxo ou um sentado que lá vá.
Nos transportes públicos há um lugar reservado a deficientes, eu sinto vergonha em viver numa sociedade que tem necessidade de cartões vermelhos, esta necessidade de ter um lugar obrigatório para pessoas com deficiência, a mim como cidadão diz-me que vivo numa civilização ainda por civilizar.
Era tão bonito entrar no autocarro sem lugares reservados, onde qualquer pessoa me dava lugar e assim tinha-mos uma sociedade fraterna.
Muitas vezes entro no autocarro e em vez de alguém me dar lugar, olham-me com repugnância e ainda por cima estão no lugar que me é reservado.
Estes exemplos tal como outros são para dizer que a nossa cidadania é movida por uma componente moral mas temos de ir mais longe, e eu sou contra a moral apenas, ou melhor dizendo, moral é um mal necessário numa sociedade que não ama.
Muito mais que as barreiras arquitectónicas são as barreiras de mentalidade que a moral camufla e só o amor dá sentido a tudo.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Clique na foto


Agradeço ao Jornal da União das Misericórdias para divulgação, e à Misericórdia da Amadora onde gosto tanto de trabalhar.

domingo, 27 de setembro de 2009

ComuniDária convidou-me para participar no seu boletim



A Associação ComuniDária é uma organização sem fins lucrativos, fundada por imigrantes e não imigrantes, por mulheres e homens, que tem como fim intervir na promoção da inserção social e laboral da população em risco de exclusão social, nomeadamente imigrantes e minorias étnicas, através de medidas preventivas, de sensibilização, conscientização, educativas e culturais na busca de uma cidadania plena e sustentável.


Para ler clique na foto


sábado, 7 de março de 2009

No dia 4 Abril no Teatro Lanterna Mágica vou apresentar o livro “Encontro-me quando Te encontro”



A apresentação será no ArtLisboa http://artlisboa.blogspot.com/, Teatro Lanterna Mágica, Bairro do Alvito, em Monsanto, Lisboa, pelas 20h30.

sexta-feira, 6 de março de 2009

Dia 4 Abril apresentação do livro “Encontro-me quando Te Encontro”



Mais uma vez vou estar na livraria “PALAVRAS DE CULTO”na Amadora, na rua Elias Garcia nº384-B, agora apresentar o livro “Encontro-me quando Te Encontro”
Como muito gosto vos espero as 11 Horas

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Mensagem de Quaresma de D. Manuel Clemente


Sempre gostei de ouvir o D. Manuel Clemente ainda muito antes de ser bispo do Porto. Tem um programa o “O dia do Senhor”ao domingo na rádio renascença ás onze da manhã que gosto muito, e uma vez quando estava a escrever o meu livro de pensamentos “Um Presente de Luz” ouvi uma frase dele que gostei tanto que introduzi nos meus pensamentos e foi o único pensamento que faz parte do livro sem ser meu, e mais tarde tive a oportunidade de o conhecê-lo pessoalmente numa conferência na Amadora. E hoje foi noticiado este clip no youtube e quero partilhá-lo convosco.
Voltando a esse pensamento que achei muito belo e real que foi:

“O PICO DA VIDA É O MOMENTO DA CONVERÇÃO”

Que esta quaresmas seja mais um meio de nos convertemos mais ao Senhor de vida.

sábado, 3 de janeiro de 2009

FELIZ 2009



Chegamos a 2009,a mais um reveillon, independentemente das crises as pessoas continuam a comemorar e isso é muito bom, sempre que há motivo para alegria há que não a calar.
Mais ano que passou,mas este momento também não pode se esgotar na folia da meia noite, na qualidade ou local e companhia para reveillon, temos de ir mais longe.
Temos de nos fazer parar a contemplar tudo de bom, e tentar sermos melhor , não é um exame aústero de consciência, mas sentir a presença.
Ao ter um olhar mas alargado do mundo.
O mundo foi marcado pela crise económica em vários pontos.
A eleição de Obama para Presidente dos EUA, mais pelo derrube de preconceitos e pelos impactos a nível mundial do que pelas alterações de políticas.
O não da Irlanda ao Tratado Europeu (de Lisboa), mostrando que a construção européia não deve ser feito “a toque de caixa” dalguns senhores, que desprezam a vontade dos povos. E muitos outros que a comunicação social cala.
Mas olhando para o nosso país.
A capacidade de resistência e luta reveladas pelas populações e trabalhadores e suas organizações em defesa do serviço nacional de saúde nomeadamente ensino público de qualidade, mostrando que, mesmo com uma maioria, que se esqueceu das promessas eleitorais, prepotente e insensível ao país real, “há mais vida para além do défice” e que as pessoas ainda são capazes de se indignar, como provaram os professores com as suas duas manifestações e a sua greve nacional.
Mas grande mudança tem de passar a nível pessoal.Pois tanto o mundo como nosso país por vezes sentimos que tudo nos passa ao lado. Mas a nossa vida podemos mudar sempre para melhor, influenciando as pessoas mais próximas e assim o país vais mundando e o mundo também.
Por isso não só as empresas precisam de fazer o seu balanço anual, como nós podemos aproveitar para repeensar nossa vida, tudo de bom que temos e nem sempre tomamos consciência, o muito que poderemos fazer com o pouco que podemos dar.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008


È com muita alegria que convido para o lançamento do meu proximo livro “Encontro-me quando Te encontro”
Localização
Palácio Galveias
Campo Pequeno 53 - Lisboa
A data e local do lançamento do meu livro é:
No dia 9 de Dezembro pelas 19h.15m

terça-feira, 30 de setembro de 2008

TENTEI ESCRICER POESIA

Foto de Agneia de Sotti

Cresci ouvindo esta grosseira expressão
Cresci ouvindo esta grosseira expressão
“Vamos fazer amor”
Há quem diga
Sou fruto dela
Dela?
Sim, do acto de fazer amor
Como se faz amor?
Se o amor é algo que nos une!
Que nos constitui
Deus não nos ama?
Antes e depois
De nos ter criado
Então vivemos imbuído nesse amor
Que nem sempre me dou conta
Que vou respondendo
Na medida que me deixo
Invadir pelo outro
Até lhe dizer:
Vamo-nos deixar fazer pelo amor.
**-**
Qual será a meta?
A vida já mais pode ser
Um desenfiar alucinante dum percurso,
De alcance
Á que parar,
Á que saborear,
Que esse sabor não morra
Antes da própria morte
Onde todos chegam
Mas nem todos com vida
Antes da grande vida
Os que chegam á morte
Com vida vivida
Essa morte não passa da morrida
**-**
Ergueram-se edifícios
Uniram-se gente
Pessoas de todos os cantos
Dos recantos do país encantado
Deixei o cheiro da terra
Húmida do orvalho
Nesta multidão
Onde mal me lembro de Deus
Sem estar só
A solidão me penetra
Deixo de ser eu para ser mais um
Meu lar naquela encosta
Que tocava nas nuvens
Passou a ser
a quinta gaiola
a contar do chão
Esse chão que deixo de sentir
Naqueles passeios pelo bosque
Que era impossível não me encontrar
Porque sentia Deus entranhado no bosque
E na buzina do carro que passa
No sinal amarelo
Na assafa das cinco e meia
No terminar dum dia
Olho para o por do sol
E não vejo
Vejo alguns raios
Que preenchem as brechas
Dos prédios de betão
E num chilrear
De um pardal
Na única arvore
Do bairro
Volto me a encontrar
Tornando consciente
Que vou-me sentido adormecido
Embalado pela assafa
Que o pardal com chilrar
Desperta-me na realidade
É mais difícil ser ateu na simplicidade
No meio da natureza
Que ser crente no meio do materialismo da cidade.
**-**
Se escuridão não existisse
Tudo era belo
Na fraternidade
Cada homem
Visse no outro
Um semelhante
Desse modo, como falava o profeta
Iavé já dizia:
“lobo e o cordeiro pastarão juntos,
e o leão comerá palha como o boi;
pó será a comida da serpente”
Redescobria
A terra mãe
Este mundo jamais tem escuridão
Onde abunda a ausência de luz
**-**
Sinto me triste
Não pela tristeza que me provoca
O mundo onde cada um não sai de si
No desmoronar lentamente
Da corrente
Que deixamos de ser
Passamos a ser elos isolados
Cada vez deixo de pensar no outro
E sofro
O verdadeiro sofrimento
Incapacidade de viver o que é eterno.
Que me sara
Me deixo de suportar o outro
Para amar
E em cada nascer do sol
Que me seca as lágrimas
E me retoma á alegria
Porque ainda vivo
**-**
A força do vento acalma a tempestade
À dias que apetece não sair de mim
Como o vento antes de chegar
E deixa para amanhã
As sementes na seara
Deixando de fecundar a terra
Assim me sinto
Como esperará pelo amanhã
Que tudo passe
Mas ao som do murmurar do vento
Me torna a sentir vivo
E antecipa o acordar
Do amanhã
**-**
Neste passar do tempo
Que só a rapidez da luz pode contar
Depois dos milhares antes dos séculos
Nos dias que correm em busca da “luz”
Não me lembro quando nasci
Tudo é imenso…
E na imensidão me encontro
O vazio é loucura
Como o pico do alfinete que sou
Como o único filho amado que me sinto
Entre a utopia da vida
Que só é concreta
Nas mãos do Criador
**-**
Em criança Tu já me fascinavas
Gostava quando o meu pai me falava de Ti
Eu era pequeno
Fui crescendo e te aprofundando
Na minha vida e na vida dos outros
Fui alicerçando o meu viver
Pela busca de ti
Sentindo a tua busca em mim
E vou te conhecendo meu Deus
na medida que me faço criança
**-**
Grande amizade te tenho
Desde o dia que nos cruzamos
Por acaso nos encontramos
Jamais nos perdemos um do outro
Esse sentimento foi tão sublime
Que tentamos ser amantes
E juntos olhamos para o nascer do dia
Com o mesmo olhar
Mesmo antes de cruzamos o olhar
E num abraço redescobrimos
Que intensidade da vida
Se descobre nas varias intensidades
Onde a nossa é amizade
Onde a intensidade nos torna
Tão intensos que vai para lá da intensidade
De não quer o outro
Mas me quero para outro
**-**
A noite cai
No erguer do dia
Na manhã
Onde tudo recomeça
No desabrochar de mim
Á plenitude de Deus
Que vai ficando no tempo
Onde nem o tempo esgota
No caminho onde
A aurora abraça o entardecer
Para o tempo deixar de correr
E deixar de ser tempo
Para penetrar no que me sustem
**-**
A morte é o mais longe…
O mais distante de mim
Porque eu sou vida
Que a morte não só me adormece
No desgaste onde o amor ainda não suporta
Mas, relança na vida onde
Acaba a sede do eterno
E se inicia uma foz permanente.
**-**
Não sou aquilo que sou
Porque também sou o que serei
Mas aquilo que fui
Foi passado a ser aquilo que sou
Já mais posso ser fragmentos de tempo
Onde Deus não se fragmenta
E me unifica na eternidade
Onde o que não sou faz parte do caminho
Do que sou
**-**
Já ouvi falar de ti
Mas não sei quem és ó Deus!
Mas sei que tenho sede de vida
E só tu me sacias
Como a criança sem saber
Procura o seio da sua mãe
E alimenta sua vida
Pois bem tu me sacias
Tu me envolves
E o conhecimento que tenho de ti
É como a lembrança do colo de minha mãe!
**-**
Se meu peito
Fosse um leito dum rio
Onde a vida não só corre, pelo tempo
Mas no tempo faz correr o que se vive
Em meu leito não corre a força da agua
Que contra o vento se levanta
No rebolar da onda
Corre o desejo de Deus
Que rebola e se entrelaça na mediocridade do meu ser
E se levanta
*-//-*
Contigo sou feliz
Porque deixo de amar para me encontrar
Mas encontro me por amor
Deixei de procurar anciosamente a felicidade
Mas ela corre em mim como o vento beija o horizonte
Meu horizonte vai para alem ti
Mas em ti que me focalizo
Não só por seres mulher
Mas és o mais próximo
Quando o grito, o exalto, a palavra, a dor e alegria
Começa a transbordar de mim
E ser cada vez mais pessoa ou apenas pessoa
**-**
Depois do beijo
Da manhã
E ao entardecer
Naquela tarde que a esperava
Era Setembro o aniversario da nossa união
Sentado num banco de jardim
Pensava a importância de um beijo
E indiferença onde todo meu ser o sente
Depois de erguer os olhos e fixa-os
Num ninho de andorinhas
Ao pensar no nascer do dia
Interroguei o que era beijar
E na brisa da tarde que me envolvia
Sentir que era
sentir na pele o coração do outro
**-**
Sinto encolhido
Uma sensação que tudo não se pode fechar em mim
E na melancolia da inércia que possuía
No meu eu que se vazia
Á medida que o ter engorda
No conforto de meu lar
Era Janeiro
Ao abrir um pouco da vidraça
Par sair o fumo da lareira onde o pinho se consumia
Voltei a ver aquele mendigo
Que passava por mim há meses
Mas ontem soube o seu nome
João, deu-me a conhecer o seu viver
E eu encolhido descubro
Que ser solidário
É esticar o nosso ser

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Um ano de vida



FAZ UM ANO QUE ESTE ANDANTE AZUL INICIOU, E TODOS QUE PARTICIPARAM COM SEU COMENTÁRIOS QUE ENRIQUECERAM BASTANTE E CONTRIBUÍRAM PARA OBJECTIVO QUE TINHA, OS MEU TEXTOS SEREM O MOTE PARA A PARTILHA. E EM FESTA CONVIDO TODOS A PARTILHAR O QUE FOI E É PARA VÓS ESTE ESPAÇO E O PAINEL DESTA VEZ É VOSSO.
***** ***** *****

DANICO!!!
PARABÉNS PELO BLOG!!!
Caminhar com o Andante Azul é um privilégio. Não só neste espaço mais em todos os caminhos que pude partilhar contigo.
Você sempre faz algo fora do comum e procura sempre dar o melhor de si.
Durante esse tempo de caminhada tivemos momentos especiais e a cada dia pude admirá-lo cada dia mais. Até mesmo quando nos meus momentos de preocupação “dançavas” na rua para me fazer feliz. A sua coragem e persistência me surpreendem. Não tens medo de olhar nos olhos de um desconhecido e falar de amor à primeira vista, de chorar mágoas antigas, ou alegrar-se com novas descobertas. Isso faz de ti um guerreiro.
Por mais difícil que seja um objectivo você sempre encontra uma maneira de superar os obstáculos e realizar seus sonhos.
E tu foste longe Andante Azul!!!
Atravessaste o oceano!!!
Continue a presentear-nos com mensagens especiais e que tocam fundo no nosso coração.
Um Beijo grande!!!
C. Andante ou Dama do Lago do Perdão (como disse o PC em um dos seus comentários.
Néia
*********************
Sempre te admirei como pessoa apesar das limitações nunca deixaste de ir a luta pelos teus sonhos ……. O teu livro "Presente de luz “é um exemplo como tu próprio escreves "A felicidade não está nos momentos mas no elo que os une" para nós a felicidade passa por ser uma conquista de todos os dias perante a sociedade apesar de algumas “ limitações” conseguimos concretizar os nossos sonhos quer a nível pessoal quer a nível profissional ou seja "O verdadeiro guerreiro é aquele que consegue vencer-se a si próprio."
Espero que continues a partilhar a tua história de vida com todos os que te rodeiam
Beijocas
Matilde
**********************
Apenas posso dizer que ontem fui ver o blog uma vez mais e senti que é mais uma forma de nos aproximarmos uns dos outros e de crescermos na Fé, de estarmos despertos para os outros, para aqueles que, na rotina dos nossos dias, passam por nós e, como no livro do principezinho, pelos quais somos responsáveis e cuidamos. É mais uma maneira de cuidarmos daqueles que caminham ao nosso lado ou apenas se
Cruzam no nosso caminho mas para quem um simples sorriso, a simples presença, o nosso olhar e às vezes o nosso silêncio são tudo o que mais precisam
Silvia
**********************
Parabéns Daniel por te lembrares (há já 1 ano!) de que faz todo o sentido falar de coisas simples. Blogs há muitos e a tendência é sempre de inovar, complicar, estar na moda... Obrigado por este espaço de partilha e de reflexão, uma lufada de ar fresco!
Paulo
**********************
Amigo Daniel
Custa a acreditar que ja passou um ano, desde que te sentiste inspirado para iniciar este espaco de partilha e reflexao. Tem sido um percurso, aonde aquela figura da face de Cristo onde tudo comecou, se tem revelado cada vez mais para ti e para todos nos, nesta caminhada de descoberta. Bem hajas!
Jose Augusto
**********************
Elisa de Castro Carvalho disse...
Olá Daniel,Parabéns por este ano de vida do Blogue! Continua a tua caminhada de "luz"!

quinta-feira, 17 de julho de 2008


Uma noite destas com grupo de amigos fomos ver o Jesus Super Star um produção do Felipe La Féria. A peça na primeira parte quando tudo estava a gostar bastante não me tocou, mas a segunda parte me tocou logo de início com a última ceia e um azul lindíssimo por traz, e gostei da paixão. Á medida que ia desenrolando, comecei e perspectivar, como seria a ressurreição, encenada, só me vinha á mente uma maneira, como o episodio do baptismo de Jesus que o texto relata que se rasgaram os céus, e eu imaginava com a linha que o guião levava fosse por ai fazendo um efeito especial a nível de som e imagem. Mas fui surpreendido não só na hora do espectáculo mas faz sentido para vida da maneira como acabou. Após a retirada do corpo morto o palco ficou vazio, e logo começou a entrar o elenco aos poucos, todos vestidos de branco. É uma imagem que a meu ver boa de reter. Cristo ressuscitado, unifica e purifica todo o homem, transmitida naquela seriedade do branco, naquela alegria dos actores em terminarem o espectáculo e toda aquela acção de graças da plateia.